O tempo total da minha viagem no Chile consiste 15 dias, incluindo 5 no Deserto do Atacama (San Pedro do Atacama) e o tempo de deslocamento (avião). O tempo de viagem é importante e possui uma ínfima relação com a experiência turística. Essa viagem foi realizada em 2011 (período entre 27/10 e 10/11).

Antes de mais nada, quero começar esse post tratando de a percepção e a experiência de viagem. O estilo de vida de cada pessoa determina o tipo de experiência da viagem e, consequentemente, a visão de cada um sobre o lugar. Quer um exemplo? Se alguém anda pela cidade somente de táxi, frequenta apenas restaurantes da alta gastronomia, essa terá uma visão totalmente limitada sobre a cidade. Não estou dizendo que isso é certo ou errado. Cada um tem um jeito de viajar. Mas, vejo muitos blogs dizendo: a cidade é maravilhosa, perfeita, é melhor que a cidade x. Será? Vamos começar com Santiago!

Santiago do Chile é uma cidade diferente de absolutamente tudo que eu já vi. Bem urbana, não muito limpa, muito pixada, a hospedagem não é tão barata quanto em Buenos Aires. Achei a comida era bem cara. Gastava-se entre R$ 35-40 por pessoa (sem bebida). O que mais surpreendeu-me é que mesmo na região central, que costuma ser mais barato, o preço não era. E o Mercado Central? Assalto à mão armada! R$ 60,00 por pessoa por algo simples?

Santiago do Chile: Palacio La Moneda e artesanato do Mercado Central

Na realidade, o meu passeio é dividido por que permaneci em Santiago três dias iniciais, voei para o Atacama, depois fui direto para Valparaíso, Viña del Mar e retornei para Santiago, permanecendo por mais dois dias nessa metrópole. Nessa contagem de dias no Chile não coloquei o dia que chego e retorno para o Brasil por que perdi o dia todo praticamente e, realmente, não fiz nada na cidade. Vou postar um roteiro como se tivesse sido feito direto.

O meu roteiro em Santiago do Chile seguiu um mix de passeios, diferentes lugares. O meu conselho é visitar a parte central primeiro, conhecendo e desdobrando a partir de suas necessidades, gostos.

Santiago do Chile: Museu Precolombino

UM ROTEIRO EM SANTIAGO POR VIAGEM DIGITAL

1º dia – As belezas do centro de Santiago

  • Plaza de Armas. Uma praça antiga rodeada de prédios com arquiteturas incríveis. A única coisa ruim é a insegurança. Difícil tirar uma foto, sem ficar com medo. Próximo de uma Praça Sete, Praça da Sé… (comparando vulgarmente).
  • Palacio de La Moneda. Aqui tem também o Centro Cultural de mesmo nome que possui diversas exposições, cinema, loja de artesanato e o Café Torres. Para curtir com calma.
  • Mercado Central. Eu adoro mercados. É possível ver artesanato, frutas, mariscos, frutos do mar, peixes. Mercado é mercado. A ressalva é que os garçons dos restaurantes internos não lhe deixa passear e observar as “coisas” em paz. Agarram o seu braço, seguem, ficam em cima para nos levar para algum restaurante. O jeito que você é abordado dá até para comparar com a “Passarela do Álcool” em Porto Seguro. Sem falar que os preços são caríssimos (R$ 120,00 para duas pessoas. Isso para mim é caro!). Um lugar realmente que virou algo para “pegar turista”.
  • Museo Chileno de Arte Precolombino. Esse, certamente, é o melhor museu de Santiago, que representa a diversidade dos povos pré-colombianos. Cobre o período da arte cerâmica e têxtil na América até a chegada dos colonizadores. Um passeio para fazer com calma. Pode tirar foto sem flash. Gente, eu fiquei muito emocionada nesse lugar!
  • Andando pela região central… Observe as ruas, visite um “Café con piernas”.

 Santiago do Chile: Paris-Londres

2º dia: Cultura, momento relax e lapsos de compras

  • Paris-Londres. São duas ruas de pedrinhas (paralelepípedos), com pequenos prédios charmosos, casas e hotéis. As fachadas são lindas. Um ótimo lugar para fazer aquelas fotos, curtir o clima das ruas. Pegue o metrô e embarque para a Providência.
  • Iglesia San Francisco. A edificação mais antiga da capital (construção completada em 1586). Um lugar incrível. Observe o teto, o chão, as estatuetas, a arquitetura por dentro e por fora. Logo, do lado, siga e encontre a Paris-Londres. Agregado, ao lado, existe o o “Museo Colonial”. Não visitei por que estava em reforma.
  • Parque de Las Esculturas (Bairro Providência). A maioria dos turistas não visitam esse lugar. Às margens do Rio Mapocho, um parque que possui 30 esculturas de grandes artistas chilenos que dividem espaço com árvores, gramado. Um lugar ideal para fazer um piquinique, deitar na grama e curtir o clima ou, simplesmente passear. Momento relax aqui!
  • Paris (loja de departamento, na Providência). Você já está por ali. Não custa entrar. Essa loja é incrível. Não sei como explicar, mas é uma Renner muito, muito, muito melhorada. Tem até a famosa Top Shop, as principais marcas de make de sucesso, creminhos, bolsas. Compare os preços e não se jogue sem fazer as contas!
  • Galeria Drugstore (Bairro Providência). Guias de viagens falavam que esse era um lugar “must-go”, com livros, cafés, design e moda criativa. Balela! Fala sério? Sobre as roupas: qualquer shopping brasileiro oferece melhores. Livrarias: fiasco. Design: uma loja que vende coisinhas criativas de todo lugar do mundo. E o café principal? Um café qualquer que virou moda. Nada especial. Preguiça total!

Santiago do Chile: Parque de Las Esculturas

3º dia: Cultura e boêmia na capital santiaguina

  • Museu Nacional de Bellas Artes. Interessante por sua beleza arquitetônica e pelas exposições, que essas estão sempre mudando. Dependendo do tempo que permanecer na cidade, dá para ver duas exposições distintas. Siga para o bairro Bella Vista andando (não é perto). Eu fiz esse percursos para sentir a cidade, observar a paisagem, as pessoas. Sinta o clima de Santiago!
  • Patio Bella Vista. Esse é um point voltado para turistas com restaurantes, barzinhos… Não é barato. Se você pode gastar, sente e coma em algum dos restaurantes. Se não puder, visite apenas para conhecer ou, quem sabe, você não toma só um sorvete? O lugar é agradável.
  • La Chascona (Casa do Neruda em Santiago). Um dos lugares mais surpreendentes de Santiago. Uma das casas do célebre poeta Pablo Neruda. Visita guiada em inglês ou espanhol. A casa trata um pouco da história de amor entre o escritor e Matilde Urrutia. Os objetos que fazem parte de toda a casa são incríveis. A criatividade de Neruda está por todo o lugar!
  • Pio Nono. Essa rua cai direto no Cerro San Cristóbal. Não visitei o Cerro de fato nesse dia. Essa rua é repleta de restaurantes e bares. Atrás dela também. Para fechar o dia, sente em algum lugar e aproveite.

Santiago: Museu de Bellas Artes

4º dia: Providência, Las Condes e Vitacura

  •  Lojinhas da Providência. Voltei aqui por que precisávamos resolver algo na Locadora de carro. Aproveitei para “bater perna” e observar o lugar.
  • Mamut. Um restaurante que encontramos. Dica dos chilenos. Adoramos.
  • Mall Sport. O shopping do esporte. Pense! Um shopping só de itens de esportes. A concepção é legal, mas comprar não é para todos. Os preços são extremamente altos e, quase tudo que procurei, mais caro que no Brasil. A coisa legal é a parede de escalada, o simulador de surfe (uma espécie de piscina que simula ondas). Se você tiver coragem, embarque nessa. No geral, esse lugar pra mim foi uma decepção. Vamos combinar que se é para fazer esportes radicais, ninguém vai para dentro de um shopping!
  • Parque Arauco. Com as principais lojas de departamento de Santiago: Falabella, Paris e Ripley. Cheguei tarde e não deu para aproveitar muito o lugar, mas deu para perceber que é o melhor shopping de Santiago. Aconselho a deixar a metade de um dia para esse lugar, se você gosta de reservar tempo para comprinhas.
Roteiro para Santiago do Chile

5º dia: Cerros de Santiago

  • Cerro Santa Lucía (Pertinho da Estação Belas Artes). Um lugar incrível. Imagine uma espécie de um parque super arborizado em um morro, com direito a um mirante e um castelo no topo? Esse castelo é aberto à visitação, mas no dia que fomos não estava. Uma pena. De lá, direto para o cerro mais alto! Fomos de táxi.
  • Cerro San Cristóbal (Bairro Bella Vista). Imagine o maior mirante de Santiago, com uma visão incrível, com zoológico agregado e um parque metropolitano. No cume, há uma estátua da Vírgen de La Inmaculada da Concepción, uma igrejinha. Suba com o tradicional funicular! Aos domingos, muita gente sobe as ladeiras íngremes de bicicleta. Se animar, vá com uma roupa apropriada para caminhada e suba a pé. Se for subir, vá pela manhã. Gente, a visão é incrível e a paz interior? Vale sentar e só olhar a cidade…

O que faltou fazer em Santiago? Seria legal ter ido na piscina “Tupahue” (no próprio San Cristóbal), subir o Cerro San Cristóbal a pé, ter andado de bicicleta pela cidade (tem um passeio noturno super legal), ter ido em um restaurante típico chileno, o Museu da Moda.

O que é verdadeiramente imperdível e não pode faltar no seu roteiro? A parte do centro toda (incluindo o fantástico museu), La Chascona, os cerros, Parque de Las Esculturas. Isso dá para fazer até para quem vai só em um fim de semana.

Quem ajudou a inspirar esse roteiro? O blog Idas e Vindas da Carla Portilho e o Matraqueando da Silvia Oliveira. Criei o meu próprio ao meu estilo.

Pessoal, é isso! Quero que deixem o seu comentário! Gostou do meu roteiro? Se tiver alguma dúvida, pergunte!

Imagens:
© Viagem Digital (Todos os Direitos Reservados)