Cada um possui uma experiência de viagem. O que deu certo ou errado para uma pessoa não funciona como regra para as outras.

Mostrei o apartamento no Recoleta em Buenos Aires que me hospedei detalhadamente em outro post. Eu o aluguei pela Buenos Aires Travel Rent. Vou explicar porque disse em outro post sobre hospedagem, que se eu voltasse a essa cidade, faria o aluguel por outra empresa. Ocorreu um problema que considero sério, já que perdi uma quantia significativa de dinheiro.

Quando fizemos check-in, eu e meu namorado, combinamos com o funcionário que ele deveria pegar as chaves exatamente ao meio dia (12h) na nossa saída, no dia estabelecido. O que aconteceu é que era cerca de 13:30h e ninguém apareceu. Ainda dentro do apartamento, ligamos para o telefone fornecido pela empresa (que constava como 24 horas de atendimento), mas não atendeu. Não liguei uma, duas, ou três vezes. Liguei praticamente durante mais de uma hora ininterruptamente, deixei recados na secretaria eletrônica em espanhol, em inglês. Não consegui nenhum contato.

Imagine o desespero de não receber a taxa de segurança de volta (que não era pouco), de ficar esperando e perder o vôo? Para entender sobre a taxa seguro (caução), escrevi outro post que mostro como funciona alugar apartamentos em Buenos Aires. Lembra?

Abre parênteses! Geralmente, para aluguéis de apartamentos em Buenos Aires, existe no contrato o telefone do proprietário do apartamento para uma eventual emergência e o contato 24 horas da empresa. Na empolgação da viagem quando no check-in, não conferimos que não havia absolutamente nenhum telefone do proprietário, apenas o endereço. O tempo que tínhamos disponível não era suficiente para deslocar para o endereço explicitado. Sem falar que, se fôssemos, que garantia teríamos que teria alguém? Ou, que esse era realmente o endereço do proprietário? Ou, então, que o nosso problema seria resolvido?

O desfecho da história é que fomos embora com a chave e deixamos um bilhete que relatava a situação. O prejuízo poderia ser muito maior se perdêssemos o vôo. Já no Brasil, entramos em contato com a empresa para receber o seguro (caução) do aluguel do apartamento de volta.

Primeiramente, a empresa custou muito a nos dar ouvidos. O funcionário entendeu que havíamos combinado meia noite ao invés de meio dia para o check-out. Houve aqui um sério problema de comunicação. No fundo, a empresa não assumiu o erro. Segundo: devolveu apenas parte do dinheiro do caução seguro porque fez um exorbitante desconto que, segundo a Buenos Aires Travel Rent, seria para a cópia de outra chave. O que me pergunto: seria mesmo o valor descontado? Por que o valor era exorbitante. Terceiro: essa não foi a melhor maneira de solucionar o problema por parte da empresa, especialmente porque o telefone para contatos 24 horas não atendeu, no contrato não havia o contato telefônico do proprietário. Todo o processo de negociação para ter o dinheiro de volta foi muito exaustivo.

Tenho conhecimento que outras pessoas, inclusive amigos não tiveram problemas com a empresa. No entanto, definitivamente não arriscaria outra “carga” de estresse. Esse é meu relato… A situação foi bem mais desesperadora que descrevo aqui… com a maior calma… Como dizem: “nem sempre se terá uma segunda chance de causar uma primeira impressão” (uma boa impressão…). A primeira impressão é mesmo a que fica e, mesmo assim, a Buenos Aires Travel Rent não se preocupou com a sua imagem na hora de resolver a situação.

  • Pingback: 8 Dicas para alugar apartamento em Buenos Aires

  • Leandro

    Gostaria de saber se eu alugar um apto em Buenos aires, ao chegar na cidade, eu devo ir diretamente ao endereço do apto alugado (para fazer o check in) ou para a imobiliária que o alugou???

    • http://www.viagemdigital.com.br viagemdigital

      LEANDRO,

      Em geral, a pessoa deve ir direto para o endereço do apartamento alugado. A empresa que presta esse tipo de serviço envia uma pessoa para lhe receber (com as chaves do mesmo) no horário combinado de sua chegada.

      Espero tê-la ajudado.

      Beijoconas.

      CRIS.